sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Desentranhamento (17/40)

Um pedaço mordido, água de ontem, poeira cobrindo a profundidade dos móveis, roupas espalhadas (usadas, mas não sujas).
Nada me apetece, o gosto que não mata sede, mudo os objetos desarrumados e falo com as marcas mais escuras na superfície, recolho aquelas que não são minhas.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Vapor (15/40)

Foi-se benzido, ungido, pesado, fardado em águas bentas.
De toda sua extensão, pautada e sentida: águas mareadas e salgadas.
Castigado, punido e sofrido em águas pingadas.
Ele foi impedido e pedido, confiado e confiante em águas de seu pai.
Transpirou suas incertezas e angustiou em águas fétidas.
Seco encontrou o sexo, o segundo sexo, e o certo.

Ele pecou, desejou, arrependeu-se em águas babadas.
Ele foi preso, amarrado, acorrentado em águas correntes.
Ele foi demarcado, identificado, prostrado em águas amarelas.
Seco se encontrou o canal. 
Seca ficou o plástico que dizia "1L de água mineral."

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Cheiro (14/40)

Raspo rápido
    O som crepida na faca como um roedor.
Chuviscam milhares de respingos
    Refresco rufado
Ralo raivoso
    Passo a mão levemente pelas raspas
O restante descendo pelo ralo.

Um redemuinho alaranjado.
Um corte rajado.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A matemática imprecisa dos dias (13/40)

Bom dia + Boa noite + Seu dia bom + Sua noite boa = Repenso
Bom dia + Boa noite + Seu dia ruim + Sua noite boa = Angustia
Dia bom + Noite ruim -  Seu dia = Espera
Dia bom + Noite boa + Seu dia = Ansiedade
Dia + Seu dia ruim - Sua noite = Desespero
Dia - Seu dia = Vazio
Dias - (- Noites) = Tempo
Bom dias + (- Seus bom dias) = Dias
Dias + Dias = Só

domingo, 17 de setembro de 2017

Cinza (12/40)

Um poste em meio ao bosque,
como li certa vez naquelas crônicas... (Ou foi você quem leu?)
Tudo escuro. Escuro em passantes e ficantes.
clareavam-se intenções:
Nem tudo que é claro é bom, aquilo que escurece pode ser melhor.
Ali, na area acinzentada, onde o certo não se endireita e o errado se aproveita.
Ali, na rima pobre e podre: Porra!
No ponto iluminado do bosque, escurem-se segredos.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

4d (10/40)

"Estou cansado de escrever sombras unidimensionais de personagens bidimensionais"
- Disse o escritor bidimensional criado pelo escritor tridimensional achando que conseguia projetar todas suas sombras em seus trabalhos.

E mesmo assim nunca quis (9/40)

Nunca antes posto dessa forma.
Nunca me senti dessa forma em relação a você.
E mesmo assim, eu preciso me sentir assim.
E mesmo assim, eu não consigo me sentir de outro modo.
Queria te ligar, te xingar, injuriar seu nome e tomar liberdade que já não tenho.
Queria ter liberdades que já não tenho.
Nunca mais vou conseguir me sentir de outro modo
Nunca mais vou injuriar seu nome.
E mesmo assim, quando penso na nossa amizade.
E mesmo assim quando penso em como eu poderia me sentir...
Queria não pensar, me lembrar que amanhã talvez não me sinta assim...
Queria entender que não é e não foi uma escolha para mim.